Empresas se unem para doar 3,4 milhões de medicamentos para intubação para o Brasil
Ação solidária emergencial já começou a importar insumos da China para fazer frente ao aumento de pacientes com COVID-19
19 de abril de 2021

Diante do recrudescimento da pandemia da Covid-19 no Brasil e da consequente escassez de insumos para o atendimento a pacientes em UTIs, um grupo de empresas se uniu para a doação ao Ministério da Saúde de 3,4 milhões de medicamentos para intubação, quantidade suficiente para a gestão de 500 leitos pelo período de um mês e meio. Esta ação solidária, em caráter emergencial, conta com o engajamento e apoio da ENGIE, TAG, Itaú Unibanco, Klabin, Petrobras e Raízen, além da Vale, que deu início a essa ação.

 

O pool de empresas, liderado pelos seus presidentes, se mobilizou para importar da China sedativos, neurobloqueadores musculares e analgésicos opioides – insumos básicos para realizar a intubação. Um lote com 2,3 milhões de medicamentos para intubação chegou no dia 15 de abril ao país. Os itens são certificados pela Anvisa, além da agência chinesa, e a expectativa é que até o final deste mês todos os insumos sejam integralmente doados ao governo federal, que cuidará também da distribuição pelos Estados por meio do SUS-Sistema Único de Saúde.

 

“Seguimos acompanhando atentamente o agravamento da pandemia no Brasil e entendemos que é urgente uma nova mobilização das empresas, agora para apoiar o governo federal na recomposição de insumos para UTIs. É importante destacar que essa ação só tem essa força porque conta com adesão de empresas de diversos setores. O momento pede união e esperamos contribuir para o sistema de saúde em todo território brasileiro”, afirma Eduardo Bartolomeo, presidente da Vale.

 

“Desde o início da pandemia, a ENGIE não tem medido esforços para apoiar as necessidades das comunidades no entorno de nossas usinas e gasodutos, além de contribuir com hospitais e laboratórios, como a Fiocruz, e iniciativas com doação de recursos dos nossos colaboradores, para que mais pessoas possam ser alimentadas, testadas, tratadas e vacinadas. Essa nova ação, liderada pela Vale, nos permite ampliar nossa contribuição”, comenta o CEO da ENGIE Brasil, Mauricio Bähr.

 

“Estamos unindo esforços para superar as dificuldades impostas neste momento tão delicado e que impacta a vida de todos. A TAG tem conseguido apoiar em diversas frentes, bem como iniciativas junto à comunidades carentes, especialmente as mais vulneráveis no entorno dos nossos ativos. Nossos colaboradores também estão tendo a oportunidade de participar e agora optamos por contribuir, junto com os nossos acionistas, com insumos básicos de intubação que ajudarão no tratamento de pacientes que tanto precisam”, comenta o CEO da TAG Gustavo Labanca.

 

“Por meio do Todos pela Saúde, temos apoiado o sistema público de saúde e a sociedade no enfrentamento da Covid-19 desde o início da crise sanitária no Brasil. O momento ainda é muito crítico, e iniciativas como esta para garantir o atendimento a quem mais precisa são fundamentais para que vidas sejam salvas. Mais do que um ato de solidariedade, vemos a mobilização do setor privado como um importante compromisso das empresas com o País”, afirma Milton Maluhy Filho, presidente do Itaú Unibanco.

 

“As iniciativas da Klabin para apoiar no combate à pandemia são voltadas para as áreas de saúde, assistência social e geração de renda para pessoas em situação vulnerável. Somos uma empresa cidadã, acreditamos que cada atitude conta e que a ajuda do setor privado é fundamental para auxiliar nesse momento tão desafiador. Seguiremos direcionando os nossos esforços em prol da sociedade brasileira com mais essa ação solidária de apoio à rede pública de saúde”, destaca Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin.

 

“A Petrobras permanece empenhada em ajudar a sociedade brasileira contra os efeitos devastadores da pandemia. Acreditamos ser fundamental unir esforços para salvar vidas, não podemos ficar inertes diante do sofrimento imposto pela Covid-19”, afirma Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras.

 

“Estamos mobilizados desde o início da pandemia em uma verdadeira rede de solidariedade – desde a produção e doação massiva do tão essencial álcool 70, até parcerias com esta, que somam esforços e competências a serviço da sociedade e do País. Afinal, cada vida salva é uma vitória coletiva”, enfatiza Ricardo Mussa, CEO da Raízen.

 

A TAG é controlada pela ENGIE, maior empresa privada de energia do Brasil, que atua em geração, comercialização e transmissão de energia elétrica e soluções energéticas, em consórcio com o Caisse de dépôt et placement du Québec (CDPQ), investidor institucional de longo prazo que administra fundos principalmente para planos de previdência e seguros públicos e parapúblicos. A Petrobras mantém uma participação minoritária no capital da Companhia.0, Eurozone 120, Europe 120, France 20, CAC 40 Governance).

Sobre a TAG

A Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG) é detentora da mais extensa rede de gasodutos de transporte do país, com aproximadamente 4.500 km, que respondem por 47% da infraestrutura de gás do país. São 3.700 km na região costeira do Brasil, passando por quase 200 municípios de nove estados brasileiros – Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro – e outros 800 km na Amazônia, em trecho que liga a região petrolífera de Urucu a Manaus, no Amazonas.

As operações da Companhia no estado da Bahia abrangem 23 pontos de entrega de gás natural, cinco pontos de recebimento e duas estações de compressão, atendendo à distribuidora local (Bahiagás), uma planta de fertilizantes, três termoelétricas e uma refinaria.

A TAG é referência em segurança operacional de infraestrutura de transporte de gás natural no Brasil, contribuindo para o processo de transição energética para uma economia de baixo carbono.

Sobre a Engie

A ENGIE é referência mundial em energia e serviços de baixo carbono. Com nossos 170 mil colaboradores, clientes, parceiros e stakeholders, estamos comprometidos em acelerar a transição para um mundo neutro em carbono, através do consumo reduzido de energia e soluções mais sustentáveis. Inspirados em nosso propósito, nós conciliamos performance com um impacto positivo sobre as pessoas e o planeta nos apoiando nas nossas atividades chave (gás, energia renovável e serviços) para oferecer soluções competitivas aos nossos clientes.

No Brasil, a ENGIE é a maior empresa privada de energia do País, atuando em geração, comercialização e transmissão de energia elétrica, transporte de gás e soluções energéticas. Com capacidade instalada própria de 10.791MW em 72 usinas, o que representa cerca de 6% da capacidade nacional, a empresa possui quase 90% de sua capacidade instalada proveniente de fontes renováveis e com baixas emissões de GEE, como usinas hidrelétricas, eólicas, solares e biomassa.

A ENGIE é também a detentora da mais extensa malha de transporte de gás natural do país, com 4.500 km, que atravessam 10 estados e 191 municípios, graças à aquisição da TAG, concluída em 2020.

Além disso, a ENGIE está entre as maiores empresas em geração fotovoltaica distribuída e possui um portfólio completo em soluções integradas responsáveis por reduzir custos e melhorar infraestruturas para empresas e cidades, como eficiência energética, iluminação pública, monitoramento e gestão de energia. Contando com 3 mil colaboradores, a ENGIE teve no país em 2020 uma receita líquida de R$ 13,3 bilhões.

A ENGIE está presente na B3 por meio de sua empresa de geração e comercialização de energia cujo ticker é o EGIE3. Na B3, a ENGIE integra o Novo Mercado, além de ser uma das únicas companhias listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial desde o início do ISE, em 2005. Em 2021, a B3 incluiu os papeis da ENGIE no Índice Carbono Eficiente (ICO2), composto pelas ações das empresas participantes do IBrX 100 que possuem maior transparência em relação ao reporte das emissões dos gases do efeito estufa e de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.

Já o Grupo teve em 2020 uma receita de 55,8 bilhões de Euro e é negociado nas bolsas de Paris e Bruxelas (ENGI), sendo representado nos principais índices financeiros (CAC 40, DJ Euro Stoxx 50, Euronext 100, FTSE Eurotop 100, MSCI Europe) e índices não-financeiros (DJSI World, DJSI Europe e Euronext Vigeo Eiris – World 120, Eurozone 120, Europe 120, France 20, CAC 40 Governance).